Tem filhos e paga as contas da casa? Chegou a hora de pensar em um seguro de vida

  • Google+
  • LinkedIn

O número de mulheres responsáveis pelo orçamento do lar aumentou nos últimos anos, e o seguro é uma forma de ajudar quem depende economicamente de você!

Qual o melhor seguro de vida para quem cuida sozinha dos filhos



Se você tem filhos e ganha a maior parte da renda da sua casa, provavelmente já se pegou pensando no que aconteceria com a sua família caso você não estivesse mais aqui. Por mais triste que seja esse pensamento, ter um planejamento para o futuro é ainda mais importante quando existem parentes que dependem de você. E aí entra o seguro de vida. Basicamente, ele garante que os seus dependentes, chamados de beneficiários, receberão um valor em dinheiro se você falecer ou sofrer um acidente e não puder mais trabalhar.

De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de 64% das mulheres brasileiras estão trabalhando fora de casa. E isso significa que as seguradoras estão olhando para este público, tanto que muitos são específicos para mulheres, como o seguro Vida Máxima Mulher, do Bradesco, e o Vida Mulher, da Caixa Seguros. Mas como existem muitas opções por aí, você precisa analisar as propostas com calma e garantir que escolheu a melhor opção para a sua família.

Será que o seguro de vida é para mim?

Para responder a essa pergunta, pense nos seus dependentes: eles trabalham? Eles poderiam contar com a ajuda financeira de outro parente? Tente identificar se todo mundo que depende de você estaria muito desamparado ou poderia contar com ajuda de outros. E, no final, a nossa recomendação é que você faça o seguro principalmente se não houver ninguém para ajudá-los caso você não esteja presente. “O seguro é feito pensando em beneficiar alguém que dependa economicamente desta mulher. Então, o mais importante nesse contrato é garantir que o dependente não ficará sem o dinheiro que ele precisa”, completa a supervisora financeira do Procon, Renata Reis.

Como escolher o seguro de vida

Existem dois itens principais na escolha deste serviço: o tipo de beneficiário e o valor que eles receberiam – que define o valor das parcelas pagas mensalmente. Saiba o que avaliar sobre cada um destes pontos.

Conheça agora o Seguro de Auxílio Hospitalar oferecido pelo ToGarantido. Por apenas R$ 20,90 por mês você conta com cobertura em caso de internação, morte acidental ou invalidez permanente. Clique aqui para saber mais.

Beneficiários e valor da indenização

Pense na seguinte conta: quanto você gasta com os seus filhos todos os meses? E em quanto tempo eles conseguiriam ganhar o suficiente para pagarem as próprias contas?

Veja só um exemplo:

Vamos supor que você seja mãe de uma criança que tem 10 anos. Ela poderia trabalhar aos 18 anos e, aos poucos, construir a própria renda. Sendo assim, o valor pago pelo seguro deveria conseguir cobrir a maior parte dos gastos dele nestes oito anos.

Então, se você gasta R$ 1.000 por mês, paga R$ 12 mil por ano com os gastos do pequeno e, em oito anos, esse valor sobe para R$ 96 mil.



A Konkero, por exemplo, fez algumas simulações online e encontrou mensalidades de R$ 37 para um seguro que pagaria R$ 90 mil, sendo que a segurada teria 27 anos.

Se os seus dependentes são os pais ou avós, faça a mesma conta: pense qual o valor gasto com cada um e por quanto tempo eles ainda estarão por aqui. Em seguida, faça as simulações levando em conta o valor que você gostaria que eles recebessem.

Mas o que fazer se as parcelas mensais ficarem caras demais?

Nesse caso, a recomendação da Konkero é que você procure um seguro de vida com pagamento final menor, mas com parcelas que consiga colocar no seu orçamento. Afinal, quando você se torna a única responsável financeiramente por outros parentes, vale mais a pena garantir que eles receberão um valor menor em vez de não receberem nada.

Fique atenta: se os beneficiários forem menores de idade, eles não poderão receber o dinheiro, pois a lei não permite. Nesse caso, o dinheiro irá para um tutor que você precisa escolher com antecedência. Essa pessoa será legalmente responsável pelo seu filho se você não estiver mais aqui.

Procure um corretor de confiança

Dessa forma, você aumenta as chances de fazer um bom seguro por um preço justo. “Além disso, a consumidora precisa saber qual a necessidade daquele momento e confirmar se a proposta atende ao perfil desejado. Nesse caso, tirar dúvidas com um advogado também pode ser importante”, explica Renata Reis, supervisora financeira do Procon.



Revise a apólice antes de assiná-la

A apólice é o contrato e, por isso, deve ser lida com muita atenção. Nela constam todos os seus dados, as informações e os valores do seguro. Confira o documento atentamente e evite mentir ou esconder informações. Por exemplo, se você tem alguma doença, informe essa condição na sua apólice. Quem esconde esses dados pode ter problemas na hora de acionar o seguro e receber o dinheiro.

Avise aos parentes mais próximos que você fez o seguro

É fundamental que você comunique a sua família sobre o seguro e que mostre onde guardou o contrato. Somente assim eles conseguirão acionar o seguro se for necessário. Lembre-se de tomar esse cuidado porque a empresa não é obrigada a avisar ao beneficiário que o dinheiro está lá esperando por ele. “A lei não obriga a seguradora a ir atrás de quem tem direito ao dinheiro. O que existe é um prazo para esse resgate ser feito. Em caso de morte, por exemplo, o tempo é de um ano. Depois disso, a empresa pode investir essa quantia onde quiser”, alerta Renata.

Veja também!





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.