6 etapas para fazer um Financiamento de Moto

  • Google+
  • LinkedIn

Além de conhecer as regras de como financiar uma moto, é preciso separar a documentação certa e juntar o dinheiro da entrada. Confira!

Quer fazer um consórcio de moto Veja onde fechar o negócio



Financiar uma moto não deixa de ser um investimento do seu dinheiro em algo que você quer comprar e que poderá ser vendido depois, mesmo que por um preço menor. Justamente por isso, a escolha do financiamento precisa de muito cuidado. Confira seis passos importantes para não perder dinheiro.

1. Como funciona o financiamento de moto

Este crédito funciona assim: você pega o dinheiro que precisa e paga essa quantia de volta ao banco com parcelas mensais, que têm juros. Além disso, é preciso dar um valor de entrada em dinheiro para começar o financiamento e, quanto maior essa entrada, menores serão os juros e os valores das parcelas. Vale saber que a moto será a garantia do banco até você quitar a dívida, e isso significa que você pode perder o veículo se deixar de pagar o financiamento.

2. Consulte seu CPF

Quem tem alguma negativação no CPF dificilmente consegue o financiamento. O banco sempre faz uma análise de crédito para descobrir se você tem condições de pagar mais um parcelamento. Mas quando ele encontra negativações, ele entende que seu orçamento está apertado e, pior, que você não paga as contas em dia. Então, se você estiver com o nome sujo, procure resolver essa situação antes de comprar a sua moto. Quer saber como? Confira aqui um especial com três passos para limpar o nome e deixar as contas em dia.

3. Pesquisar os bancos em que você pode financiar uma moto

Você pode fazer o financiamento por um banco ou por uma montadora. Vale saber que as instituições oferecem taxas de juros e condições de pagamentos diferentes. Por isso, vale a pena conhecê-las antes de fechar negócio, para saber em qual você pode economizar mais.

Empréstimo online: solicite sem sair de casa
Simplic: empréstimos de R$ 500 a R$ 2.500.
Lendico: empréstimos de R$ 2.500 a R$ 35 mil.
BomPraCrédito: compare e contrate empréstimos de diferentes bancos

4. Simular valores do financiamento de moto

Você pode financiar a moto em bancos comuns, nas financeiras e nos bancos dos fabricantes, como Honda e Yamaha. Mas cada banco cobra diferentes taxas de juros, então, você precisa comparar as propostas dos financiamentos em pelo menos três lugares para garantir que fará um bom negócio.

Por enquanto, veja esta simulação:



Supondo que você financiará por três anos uma moto no valor de R$ 10 mil, dando uma entrada de R$ 3 mil. Se você escolher o Banco do Brasil, que tem uma taxa de juros de 0,97% ao mês, pagará 36 parcelas de R$ 231,30 e um total de R$ 8.326,74.

Caso opte pelo Banco Yamaha, por exemplo, que cobra uma taxa mensal de 2,74%, pagará 36 parcelas de R$ 308,31 e um total de R$ 11.099,16.

Ou seja: você gastará mais de R$ 2.500 se optar pelo Banco Yamaha em vez do Banco do Brasil somente por causa da taxa de juros. Por isso, é necessário simular financiamentos em diversas empresas antes de tomar a decisão da compra. Você pode começar usando a calculadora de financiamento da Konkero.



5. Juntar o dinheiro para a entrada

Alguns bancos financiam 100% do valor da moto, mas somente se ela for nova. Na maioria dos casos, a entrada será uma exigência e esse valor muda de acordo com a moto que você quer comprar. Descubra o quanto antes o preço que será pedido na entrada e comece a planejar a compra. Para isso, confira algumas dicas de como cortar gastos e até aumentar a sua renda.

6. Separar os documentos para financiar a moto

Depois que você pesquisou preços, escolheu o banco onde vai financiar e programou seu orçamento, chegou a hora de fechar o negócio. Tenha em mãos documentos como RG, CPF, comprovante de residência (uma conta de luz ou de telefone fixo) e os comprovantes de renda. Nesse caso, vale holerite, declaração de Imposto de Renda, contra-cheque e extrato bancário. O importante é comprovar que você tem condições de pagar as parcelas para o banco liberar o seu crédito.





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.