Entenda por que o carro zero perde valor

  • Google+
  • LinkedIn

As taxas de depreciação diminuem o preço de um veículo novo e fazem você perder dinheiro na venda. Descubra como isso acontece!

carrro 0 perde valor



A partir do momento em que se compra um carro zero, não tem jeito: você perderá dinheiro quando for vendê-lo. O valor do veículo diminui bastante porque todo carro tem uma expectativa de vida útil, ou seja, o governo determina até quando eles funcionariam perfeitamente. Então, anualmente, são descontados os desgastes por conta do uso ou da perda de valor por causa dos concorrentes mais modernos, sendo assim, o carro passa a valer menos. E isso é chamado de depreciação.

Você sabia que essa desvalorização começa no primeiro dia de uso do veículo? “Um carro zero quilômetro sai da concessionária e já perde de 10 a 15% do valor pela depreciação”, explica Ilídio dos Santos, presidente da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (FENAUTO). Por isso, caso queira um carro novinho, não deixe de pesquisar na Tabela Fipe qual o preço dos modelos anteriores. Em seguida, compare esse valor com o custo de um novo para prever a qual será a desvalorização do seu veículo com o passar dos anos.

Como funciona a taxa de depreciação de carros

É ela que faz o seu carro valer menos a cada ano de vida. A taxa de depreciação varia, principalmente, de acordo com a procura do consumidor, mas costuma estar em torno de 10%. “Os modelos menos procurados desvalorizam mais porque não têm uma gama maior de compradores”, diz Ilídio. Não à toa, os carros populares são os que apresentam as menores taxas de depreciação, afinal, estão entre os mais procurados pelos consumidores. No ranking da agência de notícias automobilísticas AutoInforme, o Onix foi o modelo que sofreu a menor desvalorização entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015, com uma taxa de 7,6%. Já o Palio Weekend perdeu 12,7% do valor em um ano. Clique aqui para ver a lista completa.

Os três primeiros anos de vida de um carro zero representam a maior desvalorização. “Acontece uma queda 20% no primeiro ano, 10% no segundo e, no terceiro, a taxa varia entre 3 a 10%”, afirma Ilídio. Mesmo assim, comprar um veículo novo não traz só prejuízos, afinal, é preciso levar em conta que os gastos com manutenção são menores nesse período. Ou seja: você gasta menos dinheiro nos três primeiros anos de uso de um carro novo em relação a um usado. “No primeiro ano, o gasto com manutenção é praticamente inexistente. Este custo aumenta com o tempo, mas a desvalorização diminui”, afirma Rogério Olegário, consultor financeiro da Libratta.





A boa conservação diminui a depreciação

Se você pretende comprar um veículo zero quilômetro e não pensa em vendê-lo tão cedo, invista na manutenção do carro. Quanto mais cuidados você tiver, menor será a desvalorização do veículo com o passar do tempo. Isso significa que você conseguirá um valor melhor na hora de vendê-lo. “Após quatro anos, a taxa de depreciação vai valer de acordo com a conservação do carro”, diz o presidente da FENAUTO. Por isso, não deixe de levá-lo para as revisões sugeridas pelo fabricante e procure anotar todos os serviços que fizer.

Veja também!

Quer saber mais sobre a compra um carro zero? Confira 6 dicas para pesquisar um carro novo. Caso pense em comprar um usado, clique aqui para conferir os prós e contras dessa escolha.





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.