Saldo FGTS: como usar o dinheiro após ser demitido

O saldo do Fundo de Garantia ajudará o trabalhador enquanto ele não entrar em um novo emprego. Veja como se organizar! 

Saldo FGTS: como usar o dinheiro após ser demitido

O pagamento do FGTS deve ser feito todos os meses pela empresa que registra o funcionário e paga o seu salário. Os depósitos do Fundo de Garantia de trabalhadores formais são o equivalente a 8% do pagamento mensal efetuado pela empresa, mas a porcentagem é diferente para outras categorias, como nos contratos de aprendizagem, onde o custo é de 2% do salário, e trabalhadores domésticos, que recebem 11,2%.

Quando ocorre a demissão sem justa causa do funcionário, ele tem o direito de receber o saldo depositado pela empresa durante o tempo em que ficou registrado pelo local. Além disso, o saldo das contas inativas também fica disponível para que o ex-funcionário realize os saques e obtenha o dinheiro para ajudar na renda mensal.

Quem consegue sacar o FGTS precisa se organizar para gastar o dinheiro do jeito certo e não se atrapalhar nos meses seguintes em que não receberá salários. Veja abaixo o que fazer com o saque do Fundo de Garantia e saiba como fazer o dinheiro durar mais!

O que devo fazer com o saldo do FGTS?

1. Pague as dívidas que estão pendentes

Este é o momento ideal para regularizar cobranças e pagamentos que estão em atraso. Seja qual for a dívida que está com parcelas pendentes, o saldo do FGTS permite fazer o pagamento dela à vista. Logo, é possível negociar e quitar, com descontos, empréstimos e financiamentos que estão em fase de pagamento.

Procure o banco ou a empresa em que possui dívidas em aberto e negocie o pagamento de todas as parcelas que estão pendentes ou até mesmo atrasadas de uma única vez ou em algumas parcelas. Geralmente, o local poderá gerar boletos bancário para que o titular da dívida faça o pagamento do acordo como preferir e quite o valor em aberto. Lembre-se de guardar o comprovante de pagamento para provar que quitou toda a dívida com a empresa.

2. Abra o próprio negócio com o valor disponível

Uma possibilidade para ser levada em conta com o dinheiro do FGTS é abrir o próprio negócio, principalmente se o trabalhador não possui planos de voltar logo ao mercado de trabalho. Com o dinheiro disponível, ele pode pesquisar os equipamentos necessários para desenvolver o seu trabalho em um local próprio ou até mesmo em um cômodo de casa.

Como uma boa parte dos pagamentos podem ser feitos à vista, negocie com as lojas em que for fazer as compras de matéria-prima para obter descontos e conseguir gastar menos.

3. Invista parte do dinheiro do FGTS

Caso queira aumentar o saldo recebido de contas inativas do FGTS, uma parte do dinheiro pode ser direcionada para aplicações financeiras e garantir lucros a longo prazo. Os bancos e corretoras oferecem investimentos de riscos baixos e moderados para quem pretende começar a investir. O ideal é começar com aplicações que terão um retorno garantido e, depois, nos investimentos mais arrojados. Descubra como investir dinheiro com segurança e aumentar a sua renda.

Não gaste o dinheiro do FGTS por impulso

Em alguns casos, o valor liberado no Fundo de Garantia costuma ser um pouco mais alto que o salário pago mensalmente ao trabalhador que foi demitido. Por isso, muitos pensam logo em comprar inúmeras coisas que sempre quiseram, ou tirar planos mais caros do papel que só seriam possíveis após economizar um bom dinheiro durante algum tempo, como fazer viagens, comprar um carro ou um imóvel.

Antes de gastar o dinheiro com algum item mais caro, coloque os custos da compra no papel e veja quanto irá comprometer do saldo disponível do FGTS. É importante lembrar que até conseguir um novo emprego ou estabelecer uma nova fonte de renda pode levar algum tempo. Por isso, o trabalhador dependerá exclusivamente do benefício e deverá gastá-lo com responsabilidade.

Veja também!



Solicite seu empréstimo

Leandro Oliveira: formado em Jornalismo pela Universidade Santo Amaro. Trabalha com produção de conteúdo há 2 anos, diretamente com pautas sobre finanças pessoais e produtos financeiros. Iniciou sua carreira como estagiário em produção de conteúdo na Konkero e, hoje, ocupa a função de Assistente na criação e atualização de pautas e matérias.

Siga-nos nas redes sociais

Copyright © 2020 FinanZero. Todos os direitos reservados.

Regras de uso do site Política de privacidade
Google Safe Secured SSL