Como funciona o pagamento das férias: entenda

Após 12 meses de trabalho, o funcionário contratado por CLT tem direito a férias. Entenda mais sobre as regras e o pagamento desse período!

Como funciona o pagamento das férias: entenda

As férias são um dos direitos trabalhistas que as empresas devem conceder aos funcionários. Consiste em um período de descanso de 30 dias e só pode ser tirado após 12 meses de trabalho do funcionário. Mesmo que o funcionário esteja de folga do serviço, as férias devem ser remuneradas e registradas na carteira de trabalho.

Os funcionários desligados da empresa sem justa causa ou por conta de término do contrato de serviço antes dos 12 meses também possuem direito a férias. Na rescisão, o colaborador deve receber o valor correspondente aos dias de férias de acordo com o tempo de trabalho dentro da empresa.

Como as férias devem ser remuneradas, existem cálculos que determinam o valor pago referente aos dias de descanso depois dos 12 meses trabalhados e antes desse período, chamado de férias proporcionais. Confira abaixo como funciona cada cálculo e o pagamento das férias!

Como funciona o pagamento das férias anuais

Por lei, após um ano de trabalho registrado na empresa, o funcionário tem direito a 30 dias de descanso. Essas férias precisam ser remuneradas e o colaborador recebe o valor antes do início do período. Para fazer o cálculo das férias, é necessário levar em conta 1/3 (um terço) do salário registrado e acrescentar os valores de outros benefícios recebidos, como adicional noturno e o adicional por periculosidade. Vejamos um exemplo abaixo:

Um funcionário com salário de R$ 1.200 incluindo os benefícios terá de levar em conta 1/3 desse valor, resultando em R$ 400. Logo, o empregado receberá R$ 1.600, mas com o desconto do INSS, o valor das férias será de R$ 1.456.  

Pagamento das férias proporcionais

A empresa pode fazer o desligamento do funcionário antes do período aquisitivo, que são os 12 meses de trabalho necessário para tirar as férias com 30 dias. Entre os principais motivos estão o fim do contrato de trabalho, demissão sem justa causa do funcionário e férias coletivas. Nesses casos, a empresa deve pagar o valor proporcional das férias de acordo com a quantidade de meses que o indivíduo trabalhou e o salário do mês vigente. Veja abaixo um exemplo:

Salário: R$ 2 mil 
Tempo de trabalho na empresa: 7 meses 

O cálculo será feito da seguinte forma: 7 meses de trabalho, divididos por 12 meses do ano, tendo assim 7/12. Esse valor deverá ser multiplicado pelo salário (R$ 2 mil), resultando na conta 7/12 X R$ 2 mil. Nesse caso, a remuneração de férias proporcional será de R$ 1.166,66. 

Além disso, o funcionário também terá direito ao abono salarial das férias proporcionais que representa 1/3 do salário. Utilizando o exemplo acima, o cálculo ficará da seguinte forma:

1/3 X R$ 1.166,66 que será igual a R$ 388,88. Assim, a remuneração das férias proporcionais desse funcionário será de R$ 1.555,54. 

Fique atento!

Na hora de calcular as férias, a empresa leva em conta as faltas do funcionário ao longo do período de trabalho. Portanto, o colaborador deve estar ciente de possíveis descontos sobre esses valores.

Entenda mais sobre a venda das férias

Para quem já completou o período aquisitivo e vai tirar férias, saiba que é possível vender alguns dias de descanso e conseguir uma grana extra. Ao invés de folgar durante os 30 dias, o colaborador pode diminui o descanso por 20 dias e trabalhar, no máximo, por 10 dias remunerados.

A solicitação da venda de férias deve ser feita pelo menos 15 dias antes do funcionário começar o descanso. Por isso, caso esteja precisando de uma quantia extra para pagar dívidas ou fazer compras, leve em conta vender alguns dias das férias para conseguir um valor maior.

Veja também!





Solicite seu empréstimo

Leandro Oliveira: formado em Jornalismo pela Universidade Santo Amaro. Trabalha com produção de conteúdo há 2 anos, diretamente com pautas sobre finanças pessoais e produtos financeiros. Iniciou sua carreira como estagiário em produção de conteúdo na Konkero e, hoje, ocupa a função de Assistente na criação e atualização de pautas e matérias.


Siga-nos nas redes sociais

Copyright © 2020 Konkero. Todos os direitos reservados.

Regras de uso do site Política de privacidade
Google Safe Secured SSL