PJ ou CLT: você sabe a diferença?

  • Google+
  • LinkedIn

Descubra qual é a diferença entre trabalhar como PJ ou ser um empregado registrado pela CLT. Confira!



Ser pessoa jurídica (PJ) ou ter carteira assinada, o mesmo que ser CLT, são duas formas bem diferentes de prestar serviço. E saber como cada uma funciona vai ajudá-lo a fazer a melhor escolha.

Trabalhador com carteira assinada – CLT

A sigla CLT significa Consolidação das Leis do Trabalho. Isso quer dizer que o funcionário com carteira assinada tem direito a benefícios como férias remuneradas, vale transporte e alimentação, 13° salário, licença maternidade, INSS e recolhimento do FGTS.

Apesar dos benefícios, o salário registrado na carteira não é o dinheiro que cai na mão do funcionário – é sempre menor. Isso porque o INSS, o imposto de renda e, em alguns casos, os vales são descontados do valor que ele recebe.

“Normalmente, o salário do empregado CLT tem um desconto de 1/4 do valor registrado na carteira”, explica a consultora de RH Cíntia Bortotto. Ou seja, se na carteira está o salário de R$ 2 mil, o dinheiro que cai na conta do funcionário é próximo a R$ 1500.

Quando alguém trabalha com registro em carteira, também precisa ter rotina fixa – o que não acontece com prestadores de serviço que são PJ. “O trabalhador CLT deve cumprir horário, registrando o início e o término da jornada, com intervalo para refeição e descanso”, diz a advogada trabalhista Fabiana Basso.

Pessoa Jurídica – PJ

A situação muda bastante para quem é Pessoa Jurídica, PJ. Nesse caso, o salário não tem desconto porque a Pessoa Jurídica é uma prestadora de serviço sem vínculo com a empresa. E é por este motivo que o PJ também não tem nenhum dos benefícios do CLT.

Quando começa a trabalhar para uma empresa, o PJ assina um contrato de prestação de serviços. A validade do contrato deve estar clara, uma vez que a Pessoa Jurídica não pode ficar na empresa por tempo indeterminado. “Ele não pode ser contratado para a mesma função de um funcionário CLT, por exemplo”, alerta Cíntia.



Esse profissional não recebe benefícios que são concedidos normalmente a quem trabalha com carteira registrada, mas também não precisa cumprir jornada ou receber ordens de superiores.  Ele deve apenas cumprir o que foi estabelecido em contrato, então, tem mais liberdade no trabalho.

Precisa de dinheiro para abrir o seu negócio? Solicite um refinanciamento de imóvel

O que é importante você saber

Quem decide ser PJ tem que abrir uma empresa – e isso custa caro. O PJ também precisa de um contador todo mês, para pagar impostos e INSS, e tira do salário os custos com transporte, alimentação e plano de saúde. Por não ter FGTS, a pessoa jurídica precisa guardar uma grana todo mês, caso o serviço seja cancelado de repente.

“As vantagens do CLT são os benefícios. No caso do PJ, é o controle maior sobre a rotina de trabalho”, informa Cíntia Bortotto. Então, considere o que é mais importante para você. Se não abre mão do FGTS e das férias remuneradas, considere ficar com a vaga CLT. Mas se pretende trabalhar para mais de uma empresa, ser PJ pode ser a saída.

Empréstimo online com juros baixos

A Biva oferece até R$ 50 mil em empréstimo para sua empresa. Solicite aqui



Apesar disso, sempre faça as contas! Procure os valores que gastaria sendo PJ e veja quanto seria o salário que entraria na sua conta como CLT. Dessa forma você toma decisões que não vão atrapalhar seu orçamento.

Veja também!

 





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.