Como economizar dinheiro em 2016

  • Google+
  • LinkedIn

Confira as dicas para economizar dinheiro que os especialistas da Konkero prepararam para você!

Economize-antes-de-comprar-comparando-preços



1. Defina o que você que quer conquistar

Juntar dinheiro é muito difícil pois envolve cortar gastos. Por isso, é fundamental você definir o que você quer conquistar como comprar uma casa, fazer um intercâmbio no exterior ou comprar um carro. É muito mais fácil deixar de sair com os amigos para juntar grana para o intercâmbio do que simplesmente para guardar dinheiro.

Sem ter objetivos claros para você e sua família, fica muito complicado economizar e juntar dinheiro.

2. Corte os gastos

Se você definiu as suas prioridades na primeira parte deste livro e já sabe o que quer alcançar, terá muito mais facilidade para cortar os gastos que não são tão importantes quanto os seus sonhos.

Sem dúvida, é importante sair com os amigos nos finais de semana. Mas quando você tem um sonho que exige dedicação, como comprar uma casa ou pagar a faculdade, tem que fazer escolhas. Nesse caso, talvez seja melhor não sair todo final de semana para economizar esse dinheiro.

É curioso como a gente se acostuma com certos hábitos ao longo dos anos e nem nos perguntamos o motivo. Mas ao pensar no que é importante e olhar para as despesas levando em conta os grandes sonhos, é fácil perceber que os gastos não refletem os objetivos. E isso acontece com todo mundo.

Corte os gastos em excesso

Todo mundo tende a olhar para as despesas e falar: “mas não tenho nenhum gasto que dá para cortar”. E, mesmo se você parar alguns minutos para tentar montar uma lista, provavelmente chegará a essa conclusão.

Então, como cortar algo que parece não existir?

Tenha paciência. Você só vai conseguir identificar essa lista com tempo, principalmente prestando atenção nos seus hábitos de compra.

Mesmo assim, existem algumas atitudes para colocar em prática ainda hoje. Um gasto comum de ser cortado é toda despesa que você paga sem se perguntar o motivo. Afinal, nem sempre é preciso pagar por elas.

Veja alguns exemplos de serviços que normalmente são cobrados, mas que poderiam sair do seu orçamento ou serem reduzidos:

  • Tarifa de banco: será que você não está pagando mais por um serviço que não usa? Existem diferentes pacotes de serviços bancários com preços menores e, inclusive, contas gratuitas que é possível ter sem gastar nada.
  • Tarifas de cartão de crédito: vale o mesmo raciocínio feito no item anterior. Veja se existem opções mais em baratas ou até gratuitas para fazer a troca.
  • Seguros: assim como os bancos, as seguradoras oferecem inúmeros serviços que muitas vezes são cobrados com seu seguro, mas que você desconhece. Nesse caso, tente negociar o cancelamento daqueles que considerar desnecessários.
  • Juros do cheque especial e cartão de crédito: muitas vezes esses juros podem ser negociados. Para isso, você precisa conversar com o banco ou a financeira e perguntar o que pode ser feito para essa redução.
  • Telefone / TV a cabo / internet: esses serviços tiveram os preços reduzidos nos últimos anos. Então, se você tem um plano antigo, provavelmente está pagando mais caro do que poderia. E você só vai descobrir isso se tentar negociar ou falar com outra empresa que presta o mesmo serviço.

O interessante de tentar reduzir estes gastos é que, normalmente, eles são mensais. Ou seja, uma redução de 15 reais todo mês na conta do banco pode parecer pouco, mas significa ter 180 reais sobrando no final de um ano. Nada mal, não é?

Corte a compra do que não é tão importante para você

Uma economia simples significa reduzir ou até eliminar os gastos com itens que você continua comprando, mas que já não são fundamentais para você.

Ao longo dos anos, os nossos hábitos e de nossa família vão se alterando, mas em muitos casos continuamos fazendo as mesmas compras. Sabe aquele produto que está sempre na lista, mas que você não gosta tanto assim? Ou a academia que você paga, mas quase não frequenta? E aquele produto de limpeza que custa caro, mas que poderia ser trocado por outro tão bom e mais barato?

Essa não é uma tarefa fácil, pois você precisa entender o que é importante para você e para a sua família, além de fazer um esforço para se reinventar. Minha recomendação é que você reserve um tempo a cada seis meses para analisar os gastos e descobrir o que considera fundamental. Você vai perceber que ainda compra alguns produtos porque gosta deles, mas se parasse de comprá-los sobraria dinheiro para opções melhores.

Uma estratégia que funciona bem no supermercado é esta: quando terminar as compras, olhe para o seu carrinho e tire três produtos que não são tão importantes para sua família. Mas faça isso antes de chegar ao caixa! Você vai ver como é fácil e como dá para reduzir esse gasto. Na compra seguinte, experimente tirar quatro produtos. Com o tempo, você vai rever sua lista e vai sobrar dinheiro para investir na conquista de um sonho maior.

Se é grátis é bom

Existe um preconceito no Brasil de que serviços ou produtos grátis não têm boa qualidade ou são escolhas de quem é pão-duro. Se esse for o seu caso, está na hora de rever seus conceitos.

Você sabia que as pessoas de alta renda são as que mais utilizam os serviços gratuitos? Muitas buscam remédios caros que o SUS disponibiliza e outras vão a exposições gratuitas, por exemplo.

Provavelmente, você já usa alguns serviços e produtos gratuitos. Mas a dica aqui é explorar ainda mais essa possibilidade! Veja alguns exemplos que separamos no portal da Konkero do que você pode conseguir sem pagar nada:

  • Livros gratuitos
  • Exposições gratuitas
  • Diversão gratuita
  • Remédios gratuitos
  • Cursos gratuitos

Identifique as vantagens que você tem e não utiliza

A grande maioria das pessoas não se preocupa em ler manuais e contratos. Por isso, muitas deixam de aproveitar os benefícios que possuem – e às vezes nem sabem que eles existem.

Você sabia que, se um aparelho elétrico da sua casa queimar por causa de uma carga alta de energia, você pode acionar a companhia de eletricidade e ser reembolsado de parte do conserto? E já ouviu falar que vários cartões de crédito oferecem seguro contra roubo e seguro médico em viagens? Ou então que o seu seguro de carro pode ter o serviço mecânico incluso caso o pneu fure?

Pois é. Muita gente tem direito a esses serviços, mas não utiliza nenhum deles por desconhecimento. Por isso, listei abaixo os principais itens que você deve checar:

  • Seguro
  • Cartão de crédito
  • Companhia aérea
  • Companhia de energia

Outro benefício, que está cada vez mais comum, é a possibilidade de ganhar créditos pedindo nota fiscal. Quem mora no estado de São Paulo pode pedir a Nota Fiscal Paulista sempre que fizer uma compra. Nesse caso, você coloca o número do seu CPF na nota e tem o direito de receber de volta uma parte do dinheiro gasto naquela compra. Nem todos os gastos viram créditos, mas a maioria das compras em comércio se transforma em dinheiro. Outros estados e prefeituras já têm programas semelhantes. Por isso, vale ir atrás.

Por fim, tente descobrir se a empresa onde você trabalha oferece algum benefício aos funcionários. Muitas vezes eles são mal divulgados ou você se esquece de utilizá-los.

Pense nas economias e nos ganhos por ano

Às vezes, os sacrifícios feitos quando você economiza parecem resultar em pouca sobra de dinheiro no final do mês. E o que acontece quando percebemos isso? Paramos de economizar.

Mas uma maneira de reverter isso é calcular a economia por ano. Deixar de gastar 10 reais por mês pode parecer pouco, mas se você fizer a conta por ano, essa impressão começa a mudar. Afinal, economizar 120 reais parece bem mais interessante, não é?

Comparar os preços do álcool e da gasolina, por exemplo, não parece tão importante se você compara os gastos numa única vez em que encher o tanque. Mas ao tomar esse cuidado durante um ano, a diferença pode ser muito relevante para seu bolso.



Defina recompensas para suas economias

Por que é tão difícil gastar menos? Para a economia dar certo, você precisa mudar os hábitos e as rotinas diárias. Ou seja, precisamos nos esforçar todos os dias para notar a diferença somente algum tempo depois.

Se você já tentou economizar energia ou água, talvez saiba como é fácil se esquecer de reduzir o consumo diariamente. Nos primeiro dias, todo mundo está engajado a fazer essa mudança. Mas, normalmente, essa empolgação vai perdendo força com o tempo.

E como resolver isso?

Toda mudança de hábito exige uma dedicação maior no início para que entre de forma natural na rotina. Para isso, acredito que é preciso criar recompensas e momentos de comemoração. Por exemplo, você pode envolver toda a família para economizar energia e estabelecer uma comemoração caso consiga atingir determinada redução no gasto.

3. Controle melhor os gastos

Esse hábito exige disciplina e dedicação. E a melhor forma de tornar isso uma realidade é ter as conquistas sempre na cabeça. Deixar de ir a barzinhos com amigos para economizar é algo duro de ser feito. Mas deixar de ir ao barzinho porque você quer estar mais próximo de fazer um intercâmbio no exterior parece muito mais atraente, não é? Por isso, reforço aqui a importância de ter as conquistas em mente. Elas ajudarão muito na hora de controlar seus gastos.

Compras por impulso

Sabe aquela roupa que chamou atenção no shopping, mas que você não estava precisando? Ou aquela TV que é só um pouco maior que a sua, mas que na loja parecia uma maravilha?

Isso tem nome: compra por impulso. E saiba que esse hábito é um dos grandes vilões na conquista dos seus sonhos.

Existem três tipos comuns de gasto por impulso que podem te prejudicar. O primeiro é comprar algo que tem pouca utilidade. Nesse caso, o prejuízo é total, pois você gastou com algo que não vai usar ou vai usar pouco. O segundo é comprar algo que você estava precisando sem planejar. Nesse caso, o problema está em pagar muito mais pelo produto por falta de pesquisa. O terceiro tipo de compra por impulso é gastar com algo que você até precisava, mas que naquele momento vai atrapalhar o seu orçamento e deixar seu sonho mais distante.

É preciso ter atenção nessas compras porque elas dão muito prazer na hora, mas atrapalham o orçamento e afastam você dos seus sonhos.

Como evitá-las?

O primeiro passo é identificar as compras por impulso feitas. Com isso, você terá mais consciência desse hábito quando passar por situações semelhantes. Depois, defina o que pode ser feito para que essa situação não se repita ou aconteça com menos frequência. Se essa situação se repetir e você perceber apenas quando chegar em casa, não tenha vergonha e devolva o produto na loja.

Controle os gastos com os filhos

Os filhos são um motivo comum de descontrole das finanças. Muitos pais passam boa parte do tempo trabalhando e querem compensar essa ausência comprando produtos que eles pedem. Assim como outros pais que tiveram uma infância com muitas restrições e querem dar tudo que os filhos desejam.

Mas isso não é bom nem para as crianças, nem para os pais.

Primeiro, a presença nunca será substituída por algum presente. Estamos enganando a nós mesmos quando fazemos isso. Segundo, os filhos costumam ser ótimos negociadores. Eles sabem como pedir e convencer e, em muitos casos, estão apenas testando o limite dos pais. Saber dizer não é importante para que seus filhos amadureçam e cresçam.

Seguem algumas sugestões:

  • Deixe para o dia seguinte: os desejos deles costumam ser momentâneos. Por isso, uma estratégia que funciona muito bem é convencer seu filho a comprar determinado produto no dia seguinte. Assim, se ele continuar querendo muito aquele brinquedo após todo esse tempo, você pode avaliar se fará a compra ou não. Mas saiba que, na maior parte dos casos, ele nem tinha tanto interesse assim e se esquece do que pediu.
  • Criança não tem referência de valor: quando ela está pedindo um produto caro, nem sempre ela quer aquele produto por causa do preço. Ela pode simplesmente querer qualquer agrado. Só que a gente se sente culpado por comprar algo com valor menor. Mas pense que o controle do seu orçamento vai permitir uma vida melhor para toda sua família. Converse com seu filho e ofereça outros produtos mais baratos e compatíveis com seu orçamento. Na maioria das vezes, ele vai ficar até mais feliz com o outro brinquedo
  • Não compre! Não é por que seu filho pede que você precisa comprar. Pense bem: quantas vezes você quer algo e não pode ter? Dar tudo que seu filho pede será ruim para educação dele, que ficará frustrado quando se tornar adulto e precisar enfrentar as restrições do dia a dia.
  • Defina uma verba mensal para gastar com os filhos. Essa não é a melhor das técnicas, pois dá a sensação de que todo mês você precisa gastar com as crianças. Mas vale usar essa tática para definir um limite máximo – desde que você respeite isso.

Evite comprar o lançamento mais recente

É comum procurar pelo modelo recém-lançado daquele celular, tablet ou moto que você tanto quer. Pode ser uma boa escolha, mas geralmente custa caro, muito caro.

As empresas costumam adotar a seguinte estratégia: o produto que está sendo lançado tem um preço bem alto, enquanto aqueles que estão no mercado há algum tempo têm um preço intermediário. Por isso, os produtos que não serão mais fabricados podem ser vendidos por um valor menor. E isso não quer dizer que nenhum deles seja ruim.

O importante é avaliar o que o produto precisa ter. Por exemplo, se você vai comprar um computador, fale com um amigo que conhece o assunto e explique qual a sua necessidade. A grande maioria das pessoas não precisa comprar o último modelo, seja ele qual for. Outro exemplo é a TV. Se você não tem sinal HD (alta definição) na sua casa, para que você vai comprar uma TV HD, que custa mais caro?

A ideia aqui não é ter modelos antigos, mas procurar aquilo que realmente importa e faz diferença. Se andar de skate é o seu grande sonho, economize no computador e na TV para comprar o tão sonhado modelo de skate. Isso é ser inteligente financeiramente.

Defina novas escolhas com novos sonhos

À medida que o tempo passa, as prioridades mudam. Mas nem sempre os seus hábitos acompanham essa transformação.

Por isso, é importante parar a cada seis meses para reavaliar quais são suas prioridades e seus objetivos, procurando alinhar seus gastos com isso. Se você está planejando uma viagem de lua de mel, por exemplo, pode deixar de fazer diversas coisas que estava acostumado para poupar dinheiro e realizar este sonho. Da mesma forma, se quer ajudar seu filho a pagar a faculdade, você está mais disposto a aceitar determinados sacrifícios.

Existem dois aprendizados fundamentais nisso. O primeiro, que já discuti aqui, é a importância de definir o que quer conquistar. É muito mais fácil não comprar uma roupa tendo em mente que isso te deixará mais próximo da sua tão sonhada viagem do que fazer o corte desse gasto sem ter um objetivo definido.



O segundo aprendizado é que um sonho aparentemente distante fica muito mais próximo quando você reavalia seus hábitos antigos. Por exemplo, se seu grande sonho é ter um carro, mas nunca sobra nada no seu orçamento, o objetivo parece impossível. Mas se você realmente pensar na importância dessa conquista, perceberá gastos que está disposto a cortar para isso.

O interessante é que essa nova maneira de pensar torna tudo muito mais simples. Enxergar as economias e os sacrifícios como passos para a conquista de sonhos torna tudo mais divertido.





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.