Viajar por agência ou por conta própria: qual é melhor?

Compare as vantagens de contratar uma agência de viagem ou viajar por conta própria e veja qual combina mais com você!

Quem está pensando em viajar pode ficar na dúvida se o melhor é planejar a viagem por conta própria ou fazer tudo por meio de uma agência de viagens. Geralmente, viajar por agência sai mais caro, mas tudo depende da agência, do pacote, do local e principalmente da data que escolher. Por isso, talvez a pergunta certa seja se você está pronto para aceitar as vantagens e desvantagens de cada uma dessas viagens e avaliar se o custo-benefício compensa.

Para te ajudar a decidir como irá viajar, a Konkero conversou com Leonardo Marques, fundador do site Melhores Destinos, empresa que compara, além dos voos, hospedagem, pacotes, e dá dicas úteis para curtir o melhor da sua viagem. Além disso, falamos com a estudante Mariane Monteiro, que recentemente fez uma viagem de um mês para a Europa por conta própria. Confira!

As vantagens de contratar uma agência de viagens

Para Leonardo Marques, do site Melhores destinos, ”os pacotes são mais recomendados para quem não quer, não gosta ou não tem tempo de pesquisar para montar uma viagem”. Isso porque hoje dá para conseguir promoções de passagens e depois reservar o hotel em sites como Booking.com e Hoteis.com por preços vantajosos e facilidades de cancelamento. Se você preferir pesquisar por passagens aéreas e hospedagem em um único site, na Decolar.com, por exemplo, o turista pode definir o hotel que prefere, o melhor voo e ainda contar com aluguel de carro e seguro de vida. Ou seja, você monta o seu pacote!

A vantagem de fechar o pacote com uma agência de viagens é o suporte recebido: se você tiver algum problema, há uma equipe pronta para ajudar. Além disso, tudo é planejado pela agência de acordo com os seus gostos e o que espera da viagem, assim, ela se torna muito mais segura e as empresas contratadas para fazer passeios, guia turístico, aluguel de carro – se você optar por isso –  também são confiáveis. A praticidade é o maior dos benefícios e dependendo do pacote que você fecha, não será necessário pensar em transporte, hospedagem, alimentação, passeios e tradução do idioma.

Os pacotes de viagem  são boas opções para  gastar menos?

Apesar das agências parecerem mais caras , Leonardo Marques diz que não há como ter certeza se ela será realmente a decisão  com custos mais altos. O ideal é sempre  comparar e ver onde os preços ficam melhores, observando entre os mesmos hotéis, passeios, voos e o que mais você quiser incluir  no pacote da sua viagem.  “Quem tem pouco dinheiro pode montar um pacote aproveitando promoções de passagens, reservando hotéis, e consultando guias de destinos como esse”, explica Leonardo. Ele  recomenda também que a reserva do hotel  não seja feita antes  da compra das passagens, já que os dias escolhidos para a viagem pode ter voos com preços muito altos.

Outra dica para reduzir os custos com as passagens aéreas é planejar a sua viagem no meio da semana e, se possível, em horários com menor procura por voos. É possível encontrar companhias aéreas com voos promocionais no período noturno, principalmente durante a madrugada.

É possível gastar menos viajando por conta?

Para Mariane Monteiro, estudante que recentemente fez uma viagem de um mês para a Europa – passando por Madrid, Paris, Malta, Roma, Toscana e Nápoles – vale muito mais a pena viajar por conta própria. Em média, os gastos com passagem, hospedagem e alimentação durante a viagem custaram para Mariane cerca de R$ 6.000,00. Ela conta que já fez viagem por agência e ao todo chegou a gastar R$ 10.000,00, visitando menos países do que quando viajou sozinha.

“Fiz muitas amizades nos hostels, um tipo de pensão compartilhada que sai muito mais barata do que hotel. O pessoal comprava comida no mercado, cozinhava e dividia com o resto das pessoas. Isso fez com que eu realmente aprendesse o que significa economizar e compartilhar. Mas também não pude deixar de ir aos restaurantes tradicionais para experimentar as comidas locais”, conta Mariane.

Ela conta também que, em Paris, comia muito em foodtruck (hábito comum por lá), em Malta cozinhou bastante para economizar e, na Itália, todo dia almoçava e jantava em um restaurante diferente. “Foi uma opção minha porque sou apaixonada por comida italiana e a Itália é mais barata do que Madrid e Paris. Economizar é muito bom porque sobra dinheiro para passeios caros e imprescindíveis”, Mariane dá a dica. Sobre a experiência de ficar hospedada em hostels, ela conta que preferiu essa opção por ser muito mais barata se comparada a um hotel tradicional. “Dividir um quarto e banheiro não é um problema para mim. Eu acho até bom porque faço amizades e pego informações boas”, explica.

Além de planejar tudo, quando você viaja sozinho também ajusta tudo de maneira que possa caber no seu bolso. Você também não fica preso a itinerários e pode mudar de ideia a qualquer momento.

Também é possível correr atrás de descontos especiais falando direto com fornecedores, então, abuse de sites e blogs de viagem para pesquisar preços e achar várias informações que possam ajudar a montar o seu roteiro. Uma boa opção para encontrar passagens com preços promocionais é o site Voopter, que pesquisa e compara as passagens aéreas em diversos sites e te dá a possibilidade de selecionar até quatro datas de ida e volta, o que ajuda a encontrar o voo que melhor se encaixa em seu bolso.

Quais as vantagens de viajar sozinho?

Para Mariane, que ficou um mês na Europa sem auxílio de nenhuma agência ou pacote, o lado bom é que você monta o próprio roteiro e faz tudo como quer. “As agências limitam muito, talvez eu não tivesse as mesmas oportunidades com elas”, afirma a estudante, “sozinha você passa por aventuras muito necessárias para o crescimento pessoal e conhece pessoas diferentes, aprendendo a conviver com os outros e se virar”.



Além do mais, viajando por conta própria você faz os seus próprios horários, ou seja, pode se atrasar para chegar a algum lugar, decidir acordar mais cedo ou mais tarde em um dia, etc. Com excursão e agência, sempre tem aquele que acaba atrasando um pouco a saída ou volta, fora que eles costumam seguir uma ordem para deixar os turistas no hotel e pode ser que o seu seja o último. Você também pode evitar as paradas de compras, assim como reservar um dia apenas para isso. Quem monta o roteiro é você.

O  importante é estabelecer um roteiro que se encaixe no seu estilo. Por exemplo, ao viajar sozinho, se você gosta de passear pelos museus, mas não necessariamente perder dois ou três dias com isso, pode montar uma grade de passeios dentro da sua expectativa. Uma verdade é que, sem agência, você já começa a viagem antes de sair de casa enquanto pesquisa e vai chegar ao destino sabendo muito. Para quem não quer fazer como a Mariane e se hospedar em um hostel, é possível escolher o hotel que combine mais com você, aproveitando promoções que podem surgir  junto com a compra da passagem aérea.

Veja também!




comentários