Previdência Privada – O que é e o que significa - Konkero

Previdência Privada - O que é e o que significa

Entenda o que são os planos de previdência privada e saiba se vale a pena contratar algum deles!

Quando-começar-a-pagar-uma-previdência

Os planos de previdência privada são modelos de investimento que costumam ser contratados para complementar a renda do cidadão ao atingir a idade ou o tempo de contribuição necessários para se aposentar. Além disso, também podem servir como um tipo de investimento a longo prazo, como guardar dinheiro para a faculdade dos filhos ou comprar um apartamento daqui a cinco anos ou mais.

Através da previdência privada, o beneficiário contribui com valores mensais durante um determinado período e, ao final do prazo estipulado, pode optar por receber a quantia – formada pelo valor investido, mais os juros que incidiram sobre ele – em uma única parcela ou recebê-la em parcelas menores, durante alguns meses.

Previdência privada: o que isso muda na minha vida

Com a incerteza que ronda o sistema previdenciário atual, os planos de previdência privada têm sido uma alternativa aos cidadãos para garantir uma aposentadoria financeiramente mais tranquila. Isso porque nem sempre o teto de aposentadoria oferecido pela Previdência Social é o suficiente para o estilo de vida que o cidadão levara durante toda a sua vida.

Para contratar um plano de previdência privada, é necessário que o interessado entre em contato com uma seguradora, que pode ser um banco ou uma corretora. Essa seguradora deve calcular para o cliente, através de uma simulação, quanto e por quanto tempo será preciso poupar para atingir determinado valor, quantia esta que corresponde, na aposentadoria, um determinado número de anos.

É importante saber que, durante o plano, o indivíduo deve pagar duas taxas principais: uma de administração e a de carregamento. A primeira é cobrada anualmente e incide sobre a quantia total do fundo, ou seja, o valor investido mais seu rendimento. Já a segunda é cobrada sobre cada aplicação feita. É possível ainda que exista a taxa de saída, dependendo do fundo, cobrada sobre o valor resgatado. Em alguns casos, a essa taxa deixa de ser cobrada depois de determinado tempo.

Os planos de previdência privada podem ser considerados planos de renda complementar, quando contratados pelo modelo PGBL (plano gerador de benefício livre), ou uma forma de seguro de vida, quando contratados pelo modelo VGBL (vida gerador de benefício livre).

A diferença entre esses modelos está na tributação: no PGBL, é possível abater as aplicações na declaração de Imposto de Renda, o que não acontece no VGBL. Em ambos os casos, a previdência privada é considerada um investimento e, com isso, o beneficiário precisará pagar alguns tributos, como o imposto de renda sobre o valor de rendimento ou sobre o saldo disponível para resgate, dependendo do modelo contratado.

Se você tem dúvidas sobre as vantagens da previdência privada em relação ao seguro de vida, confira nosso comparativo clicando aqui.

Veja também!