Fundo de reserva – o que é e o que significa - Konkero

Fundo de reserva - o que é e o que significa

Saiba o que é o fundo de reserva e entenda qual a sua importância para os condomínios.

O fundo de reserva em condomínios é um dinheiro separado para imprevistos, como manutenção de elevadores e ações trabalhistas de funcionário ou para despesas maiores, quando precisa ser feita pintura na fachada, modernização do elevador, entre outros. Esse fundo de reserva tem como objetivo não comprometer as finanças do empreendimento e dos moradores se houver a necessidade de um gasto não planejado ou maior do que o usual.

Embora não seja obrigatório aos condomínios terem um fundo de reserva, a ação é recomendada, porque pode ajudar em momentos de urgência. Assim, sua quantia pode ser formada de 5% a 10% da taxa condominial, dependendo dos administradores do condomínio. Para que o fundo de reserva seja utilizado, é preciso da aprovação dos moradores. Normalmente essa decisão é tomada em reuniões de condomínio, quando os moradores estão presentes e o síndico também.

Fundo de reserva: o que isso muda na minha vida

Além de servir para arcar com despesas extraordinárias do condomínio, o fundo de reserva existe para evitar aumentos repentinos no valor pago pelos condôminos.

Se você está comprando um apartamento em um prédio mal conservado e não tem fundo de reserva, prepare-se. Você poderá ter o valor da taxa de condomínio aumentado de forma repentina para cobrir as reformas. Ou, então, os condôminos podem não entrar em acordo com o aumento de despesas para reforma e você terá de conviver num prédio deteriorado.

Além disso, é importante saber quem deve pagar essa quantia no caso de você ser inquilino e morar de aluguel no apartamento. Segundo a Lei do Inquilinato, o proprietário é responsável pelo pagamento das despesas extraordinárias, enquanto o locatário do imóvel deve pagar as despesas usuais.

Sendo o fundo de reserva mais utilizado para bancar despesas imprevistas, quem paga esta porcentagem é o dono do apartamento. Porém, caso esse dinheiro seja usado para cobrir despesas ordinárias, que não é comum, mas pode acontecer, dependendo da situação, o inquilino deve pagar ao fundo de reserva.

Fique atento aos valores que estão sendo cobrados na taxa condominial e se o fundo de reserva está incluso. Caso não esteja bom para um dos lados, tanto locatário como proprietário, essa quantia pode ser negociada.

Veja também!