Como refinanciar o seu carro em 6 passos simples

Veja quais são os seis passos para você fazer um refinanciamento de veículos e conseguir o empréstimo que precisa.

Saiba negociar na hora de comprar um carro OK

Pensou em usar o seu carro para pegar um empréstimo? O refinanciamento de veículos, como outros empréstimos, cobra juros e tem regras para ser aprovado. Se você está interessado em conseguir esse dinheiro, confira os seis passos básicos de como fazer o refinanciamento do seu carro.

Como fazer o refinanciamento de veículos

Confira abaixo 6 formas para fazer o refinanciamento de veículos.

1. Quitar o veículo que vai ser refinanciado

A maioria dos bancos não libera o empréstimo quando o carro ainda está em financiamento. Neste caso, existem duas opções. A primeira é procurar bancos que aceitem esta dívida e refinanciam um carro alienado. Então, parte do dinheiro do refinanciamento vai quitar o carro e o restante ficará com você. Se receber uma proposta como esta, fique atento às condições e taxas oferecidas.

A segunda opção é indicada para quem está no final do financiamento e precisa muito do dinheiro. Isso porque talvez compense quitar o saldo para ter mais opções de bancos para refinanciar (e pagar mais barato por isso).

2. Arrumar a documentação do carro e os seus documentos

Além de preferir um carro quitado, o banco exige que o veículo esteja no nome de quem vai pedir o refinanciamento. Essa condição tem um motivo: quando você pega o empréstimo, o carro fica como garantia até você quitar a última parcela. Isso significa que se você deixar de pagar o que deve, poderá perder o carro.

Assim que regularizar a documentação, caso o veículo não esteja em seu nome, separe estes papéis:

Cliente: cópia de RG e CPF, comprovante de casamento (para os casados) e comprovante de renda e residência.

Veículo: cópia de RG e CPF ou cópia da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), Certificado de Registro do Veículo (CRV).

3. Procurar o refinanciamento de veículos em três bancos

As taxas de todo empréstimo mudam conforme o banco. O melhor caminho é encontrar no mínimo três lugares que refinanciam veículos e perguntar qual a taxa de juros e o Custo Efetivo Total (CET) em cada um. Para te ajudar nessa comparação, clique aqui e confira a taxa de juros para o refinanciamento de veículos em diversos bancos.

Com juros a partir de 1,75% ao mês, o refinanciamento de veículos da Creditas está entre as melhores alternativas do mercado. Solicite a sua proposta clicando aqui.

4. Esperar o resultado da avaliação do carro

Assim que você decidir em qual lugar fará o refinanciamento, saiba que o empréstimo ainda dependerá de uma análise feita pelo banco. Quando você pedir a proposta, o banco vai verificar a documentação e o valor de mercado do veículo. Então, quando o empréstimo for aprovado, você saberá exatamente quanto dinheiro vai pegar e quanto tempo terá para parcelar a dívida.

Normalmente, o refinanciamento libera até metade do valor do carro e permite que você comprometa até no máximo 35% da sua renda. Isso quer dizer que, dependendo da grana que você tem para gastar todo mês com a dívida e do valor do seu carro, o crédito liberado pode ser maior ou menor.

Fique atento ao ano de fabricação do veículo! Carros com mais de dez anos não costumam ser refinanciados pelos bancos. E saiba que o banco cobra por esta avaliação mesmo que não aprove o empréstimo depois. Por isso, pergunte quanto você terá que pagar por isso.

5. Assinar o contrato do refinanciamento de veículos

Uma vez que o refinanciamento foi liberado, você terá que assinar o contrato e esperar alguns dias antes de receber o dinheiro na conta corrente. Aproveite esse momento para tirar qualquer dúvida.

Ainda tem alguma dúvida? Confira oito perguntas e respostas sobre refinanciamento de veículos.



Quer procurar o refinanciamento com as melhores taxas?

Agora é possível solicitar propostas para o refinanciamento de forma online. A Creditas oferece o refinanciamento de veículo e imóvel com taxas de juros competitivas. Clique abaixo para solicitar suas propostas agora:

 




comentários