O que acontece se você não pagar o empréstimo pessoal

Fique por dentro dos cinco problemas mais comuns de quem atrasa a parcela do empréstimo pessoal e não tenta negociar a dívida o quanto antes.

As consequências de ficar endividado no empréstimo pessoal são muitas: a dívida aumenta em pouco tempo, você não consegue pegar outros empréstimos e ainda precisa lidar com a empresa de cobrança, que liga diversas vezes durante o dia.

Muitos problemas, não acha? O ideal é que você se organize e não deixe de pagar o empréstimo pessoal de maneira nenhuma. Mas, se algum imprevisto acontecer e você precisar atrasar as parcelas, veja a seguir cinco situações que podem acontecer.

1. Você fica com o nome sujo

Sempre que você deixa de pagar o empréstimo pessoal, o banco tem direito de avisar a Serasa e o SPC sobre a pendência financeira entre vocês. Quando isso acontece, você recebe uma carta informando que existe um prazo mínimo para você negociar com o banco. Caso contrário, terá seu nome negativado – o que traz muitos problemas.

2. Existe uma dificuldade maior para pegar qualquer tipo de crédito

Estar negativado significa que todos os bancos, financeiras e lojas conseguem saber que você está devendo. O principal problema: ao descobrir sobre a sua negativação, as empresas não querem emprestar dinheiro ou liberar parcelamentos para você. Então, enquanto você não resolver a dívida do empréstimo pessoal e limpar seu nome, terá grandes dificuldades para conseguir qualquer tipo de crédito.

3. É fácil perder o controle da dívida

O empréstimo pessoal tem uma das maiores taxas de juros entre os empréstimos que os bancos oferecem. Para você ter uma ideia, a média da taxa de juros cobrada nesse crédito é de 7% ao mês. Na prática, isso significa que sua dívida pode dobrar em um ano. Veja só:

Se você pegou um empréstimo de R$ 1.000 para quitar em um mês, pagaria R$ 1.070 no final. Mas quando você não quita essa dívida, o valor aumenta rápido. Por exemplo, deixar a dívida de R$ 1.000 parada durante um ano faz esse valor subir para R$ 2.252. Ou seja, é um valor bem maior e mais difícil de quitar de uma vez só.

Se isso acontecer, tente negociar o pagamento no banco. E uma das estratégias para fazer uma boa negociação da dívida é saber antecipadamente quanto você pode pagar por mês.

4. Dever para o banco cria um histórico ruim

Se você desistir de pagar o empréstimo pessoal que fez no seu banco e não tentar negociar o valor, essa informação ficará registrada ali. E mesmo que você pague a dívida com o banco depois, ele saberá desta situação e poderá negar um financiamento, por exemplo, se você precisar deste crédito futuramente.

Empréstimo online: solicite sem sair de casa
Simplic: empréstimos de R$ 500 a R$ 3.500.
Lendico: empréstimos de R$ 2,5 mil a R$ 50 mil.
BomPraCrédito: compare e contrate empréstimos de diferentes bancos.

5. Sofre com a empresa de cobrança

Nem sempre é o atendimento do banco que cobra o pagamento da dívida. Em muitos casos, o banco vende a dívida para uma empresa que só faz cobranças. Então, essa companhia liga diversas vezes durante o dia e, às vezes, ultrapassa todos limites para pressionar você a pagar o que deve. Saiba que existe uma regra para essa cobrança, mas a única forma de não receber mais estas ligações é negociar o valor que você está devendo.




comentários