Juros simples e juros compostos: entenda a diferença - Konkero
ATENÇÃO! Nunca solicitamos depósito ou pagamento para liberação de empréstimo. Isso é ilegal.

Juros simples e juros compostos: entenda a diferença

Entenda a diferença entre os juros simples e os juros compostos e em quais situações eles são aplicados.

Os juros estão presentes na nossa vida financeira de duas maneiras: juros simples e juros compostos. Embora eles tenham diferenças entre si, os dois têm o mesmo efeito: aumentam a quantia de dinheiro devida ou guardada. Dependendo da ocasião, os juros podem representar um benefício ou um malefício.

Entenda a diferença entre os juros simples e os juros compostos e veja qual o impacto deles em cada situação.

Juros simples e juros compostos: qual a diferença

De maneira superficial, a diferença entre os juros simples e os juros compostos está em quanto cada um aumenta a quantia inicial de dinheiro. Os juros simples incidem somente sobre o valor inicial, os juros compostos incidem sobre o valor inicial acrescido de juros. Para entender melhor, veja como funciona cada tipo de juros.

Como calcular juros simples

Os juros simples são calculados somente sobre o valor inicial. Ele considera o valor da dívida, a taxa (expressa em porcentagem) e o prazo em que a dívida será paga. Sendo assim, para chegar ao valor total dos juros simples, é necessário multiplicar o valor inicial pela taxa de juros. Confira o exemplo abaixo.

Você fez um empréstimo no valor de R$ 1 mil, a uma taxa de 3,5% ao mês, para pagar no prazo de 10 meses. O cálculo a ser feito para descobrir os juros será:

1.000 X 3,5/100 = R$ 35,00

Assim, basta somar a quantia inicial ao valor dos juros para saber quanto será pago ao final dos 10 meses.

1.000 + 35 = R$ 1.035,00

Você ainda pode calcular o valor da parcela dividindo o valor total pelo número de meses.

Valor da parcela = 1.035/10 = R$ 103,50

Como calcular juros compostos

Os juros compostos são também chamados de juros sobre juros. Isso porque a taxa incide não apenas sobre a quantia inicial da dívida, mas sobre a quantia inicial somada aos juros que já incidiram sobre ela. Confuso? Entenda melhor abaixo.

Suponha que você tenha feito um investimento de R$ 1 mil, com uma taxa de juros compostos de 3,5% ao mês. Quanto você terá acumulado em 1 ano?

No primeiro mês, os juros serão sobre R$ 1 mil, que é o saldo inicial. No segundo mês, os juros serão sobre R$ 1 mil mais os juros do mês anterior, ou seja, será sobre um saldo maior. Já no terceiro mês, os juros incidirão sobre um saldo maior ainda. Observe:

Mês 1: 1.000 X 3,5% = R$ 35,00
Saldo mês 1 = R$ 1.035,00

Mês 2: 1.035 X 3,5% = R$ 36,22
Saldo mês 2 = 1.035 + 36,22 = R$ 1.071,22

Mês 3: 1.071,22 X 3,5% = R$ 37,49
Saldo mês 3 = 1.071,22 + 37,49 = R$ 1.108,71

Ao final de um ano, o total de juros acumulado será de R$ 511,07, e o saldo final de R$ 1.511,07.

Se você quiser uma maneira mais fácil de calcular os juros compostos, você pode usar a Calculadora do Cidadão, disponibilizada pelo Banco Central do Brasil, ou o site Cálculo Exato, que é bem fácil de usar. Em ambas as opções, é só colocar o valor inicial, a taxa de juros e o prazo, e o cálculo será feito automaticamente.

Veja também!