Empréstimo: compare e escolha o melhor

Entenda as 5 opções de empréstimo que separamos para você sair do aperto, renegociar suas dívidas ou usar como bem entender!

O empréstimo costuma ser a primeira opção das pessoas que precisam de dinheiro com urgência. Algumas alternativas, como o empréstimo pessoal, tem taxas mais altas quando comparadas a outras modalidades, mas ainda assim, podem valer mais a pena do que entrar no cheque especial ou no rotativo do cartão de crédito, onde a taxa de juros anual atinge quase 500%.  No entanto, além do empréstimo pessoal, são muitos os tipos de crédito disponíveis para o consumidor, sendo que cada um deles conta com condições, custos e prazos diferenciados. Alguns exigem garantia e cobram juros mais baixos, enquanto outros, não possuem muitas condições na contratação, porém, contam com taxas mais altas.

Para te ajudar a entender melhor, confira abaixo como funciona e quais são as condições de cada um dos empréstimos disponíveis no mercado financeiro. Não se esqueça de comparar e optar por aquele que mais se encaixa com o seu perfil.

1. Empréstimo Pessoal

O empréstimo pessoal é uma das formas mais populares de se conseguir dinheiro, pois tem aprovação fácil e o valor solicitado geralmente é liberado em até 24h após a análise de crédito. Ou seja, pode ser considerada uma boa alternativa para emergências.

No entanto, como as instituições financeiras não têm nenhuma garantia de que o valor emprestado será devolvido, elas acabam cobrando uma taxa de juros mais alta em relação a outras modalidades de empréstimo para cobrir os prejuízos em caso de o cliente não quitar a dívida, o que pode ser uma desvantagem se você optar pelo empréstimo pessoal.

O ideal para a contratação do empréstimo pessoal é pesquisar muito antes de fazer a sua escolha, pois as taxas de juros podem variar bastante de uma instituição para a outra. Além disso, também é importante se organizar financeiramente, levando em conta que a partir da contratação deste empréstimo, você terá que pagar parcelas mensais e, em caso de descontrole no orçamento, correrá o risco de se endividar e até mesmo acabar ficando com o nome sujo.

2. Empréstimo Pessoal com Cheque

Essa modalidade de crédito é bem parecida com o empréstimo pessoal comum, porém, neste caso o pagamento da dívida é feito através de cheques pré-datados.

Ao solicitar o empréstimo pessoal com cheque, é necessário deixar com a instituição financeira uma quantidade de cheques igual ao número de parcelas necessárias para quitar a dívida e, mês a mês, esses cheques serão descontados pelo banco ou financeira que liberou o crédito a você. Mas atenção:  se algum dos cheques descontados não tiver fundo, seu nome ficará sujo!

Atualmente, poucas instituições financeiras oferecem esse tipo de crédito. Veja aqui onde você pode encontrar o empréstimo pessoal com cheque.

3. Empréstimo Consignado

O empréstimo consignado funciona como o empréstimo pessoal, porém, o valor das parcelas mensais sai direto do seu pagamento ou benefício – antes mesmo do dinheiro cair na conta. Esse tipo de empréstimo pode ser contratado por aposentados, pensionistas, funcionários públicos ou das Forças Armadas e funcionários de empresas privadas que possuem convênio com algum banco que ofereça o crédito consignado.

Empréstimo online: solicite sem sair de casa
Simplic: empréstimos de R$ 500 a R$ 3.500.
Lendico: empréstimos de R$ 2,5 mil a R$ 50 mil.
BomPraCrédito: compare e contrate empréstimos de diferentes bancos.

Esse tipo de empréstimo ainda conta com um limite, chamado de margem consignável, que não permite que o valor comprometido com as parcelas do empréstimo ultrapassem a alíquota de 30% do seu salário ou benefício. Além desse limite, ainda pode-se comprometer até 5% do salário ou benefício, porém, obrigatoriamente, esse comprometimento deverá ser feito através do cartão de crédito consignado.

Por exemplo: se você pretende solicitar um empréstimo consignado e sua renda mensal é de R$ 1 mil, o valor máximo de cada parcela não poderá ser acima de R$ 300, que será o seu limite de 30%. Por conta da garantia pelo pagamento, que será descontado automaticamente mês a mês, as instituições financeiras oferecem taxas de juros mais baixas.

4. Empréstimo com Garantia de Imóvel

Para conseguir esse empréstimo, o cliente precisa ter um imóvel em seu nome, regularizado e quitado, que será dado como garantia pelo pagamento. Por conta dessa garantia, os bancos oferecem melhores condições, com empréstimos à partir de R$ 30 mil (limitados a 60% da avaliação do imóvel) e até 240 meses para pagar.

Além disso, o empréstimo com garantia de imóvel conta com uma das taxas de juros mais baixas do mercado, justamente por ter a garantia de que, se a dívida não for quitada, o imóvel poderá ser tomado pelo banco através da alienação fiduciária. Mas fique tranquilo: essa é a última opção do banco! Ele não tem interesse no seu imóvel, porém, caso você não consiga pagar as parcelas e não tente negociar a dívida com a instituição, isso pode acontecer.

Mesmo contando com alguns riscos, o empréstimo com garantia de imóvel ainda é uma opção a ser considerada, principalmente porque as taxas de juros são mais baixas quando comparadas a outras modalidades de crédito, o limite de crédito é maior e o prazo de pagamento é mais longo.

5. Empréstimo com Garantia de Veículo

Neste tipo de empréstimo é necessário que o cliente ofereça um veículo próprio como garantia do pagamento, da mesma forma que acontece em um empréstimo com garantia de imóvel. Com isso, os bancos costumam oferecer condições mais atrativas, onde o cliente consegue contratar um crédito de até 90% do valor do veículo e com prazos de até 5 anos para pagar.



Diferente do empréstimo com garantia de imóvel que exige que o seu bem esteja quitado, neste modelo de empréstimo você consegue refinanciar um veículo alienado. Também vale lembrar que não costumam ser aceitos veículos com mais de 10 anos de uso.

Além disso, o refinanciamento de veículo oferece juros mais baixos, quando comparado a outros tipos de empréstimo sem garantia. Mas é importante lembrar que caso você não consiga quitar as parcelas e nem tente uma negociação com o banco, poderá perder o seu bem.

Veja também!

 




comentários