Conheça 5 armadilhas das financeiras e não perca dinheiro

Fique por dentro dos truques das financeiras que fazem você gastar mais do que deveria.

As financeiras são uma opção atrativa para quem precisa de uma grana extra. Afinal, dá para conseguir o dinheiro rapidamente e sem muita complicação. Mas existem algumas armadilhas que podem levar o consumidor a fechar um negócio que, no final das contas, não vai ser bom para o bolso.

Assista no vídeo quais são essas armadilhas e tome cuidado para não em nenhuma delas.

Cinco atitudes para escapar das armadilhas das financeiras

1. Pergunte sempre quanto você vai pagar pelo empréstimo

Informe-se sobre o valor dos juros e das parcelas e compare-o com o custo em outras financeiras. Se você não fizer isso, pagará muito mais do que deve.

2. Negocie a taxa de juros

É possível oferecer uma contraproposta para o valor que está sendo pedido. Se você estiver disposto a negociar, pode conseguir um empréstimo com menos juros.

3. Aceite só o crédito necessário

As financeiras podem oferecer mais dinheiro do que você precisa, mas não se esqueça que, quanto maior o valor que você pega, mais você gasta em juros.

4. Não caia na pressão das financeiras

São falsas as ofertas indicando que aquelas condições do empréstimo valem apenas naquele dia e, por isso, é necessário fechar o negócio imediatamente! Veja qual será o preço final que você pagará para a financeira e compare-o com de outras instituições, que podem ser mais baratas. Feche o negócio apenas quanto tiver certeza!

5. Nunca assine o contrato sem ler

Essa é a dica mais importante: nunca assine o contrato antes de ler tudo com calma. Assim, você aceita um empréstimo com o qual realmente concorda e não corre riscos de ser surpreendido depois.

Quer fazer um bom negócio? Descubra onde fazer um empréstimo pessoal com as menores taxas.

Empréstimo online: solicite sem sair de casa
Simplic: empréstimos de R$ 500 a R$ 3.500.
Lendico: empréstimos de R$ 2,5 mil a R$ 50 mil.
BomPraCrédito: compare e contrate empréstimos de diferentes bancos.




comentários