Rotativo do cartão de crédito: entenda as novas regras

As regras para o uso do rotativo do cartão de crédito foram alteradas, mas a modalidade continua entre as mais caras do mercado. Confira o que mudou!

cartao-de-credito

O rotativo do cartão de crédito ganhou algumas regras esta semana. De acordo com as novas exigências, divulgadas pelo Banco Central em janeiro desse ano e que passaram a valer efetivamente no dia 03 de abril, o rotativo do cartão de crédito não poderá ser usado como alternativa pelos consumidores por um prazo maior do que 30 dias. A medida visa diminuir o número de endividados pela famosa “bola de neve” do cartão de crédito, bem como oferecer condições melhores de pagamento ao consumidor, que contará com juros mais baixos do que os que já está acostumado.

Confira quais são as novas regras do rotativo do cartão de crédito e descubra o que isso muda para você!

O que é o rotativo do cartão de crédito?

Considerada uma das modalidades de crédito mais caras do mercado, o crédito rotativo é a alternativa para muitas pessoas que se descontrolam no orçamento e acabam gastando mais do que podem pagar no cartão de crédito, tendo como opção o pagamento mínimo, que quita apenas parte da fatura – 15% do total. Desta forma, o consumidor não fica negativado, mas também não deixa de dever para a empresa administradora do cartão.

Mas ainda pior do que não quitar a dívida, é o tamanho que esse saldo devedor pode alcançar, afinal, quando você quita só o mínimo, no próximo mês terá que pagar os gastos atuais e o valor que sobrou da última fatura somado aos juros e encargos.

As antigas regras de pagamento do cartão de crédito

Na antiga regra do rotativo do cartão de crédito, o consumidor que não tivesse todo o valor para quitar a fatura, poderia fazer o pagamento mínimo e, se nos próximos meses ainda não tivesse a quantia total, poderia continuar efetuando apenas o pagamento mínimo. Deste modo, com a alta taxa de juros somada ao valor devido, a dívida cresceria muito e em pouco tempo. É daí que surge o termo “bola de neve” das dívidas.

O que muda com as novas regras do cartão de crédito

Com as novas regras, o consumidor não poderá passar mais do que 30 dias no rotativo do cartão de crédito. Ou seja, se no mês de abril ele pagou apenas o mínimo de sua fatura, no mês de maio ele terá que pagar o valor integral. Caso o consumidor não disponha do valor total da dívida, ele poderá procurar o banco para negociar uma nova forma de pagamento,  ou o valor será automaticamente parcelado pelo banco. Vale lembrar que cada banco terá as suas próprias regras neste caso.

Essas mudanças visam evitar que a dívida cresça de forma descontrolada e ajudar o consumidor a conter os gastos, oferecendo alternativas de parcelamento da dívida a juros mais baixos do que os que eram cobrados na regra antiga do crédito rotativo, que chegavam a até 500% ao ano.

Confira abaixo a taxa de juros divulgada por quatro dos cinco principais bancos do país para o rotativo do cartão de crédito.

  • Santander: 10,68% ao mês
  • Banco do Brasil: 12,12% ao mês
  • Itaú: 15,96% ao mês
  • Bradesco: 19,19% ao mês

Atenção! Os juros cobrados pelos bancos podem variar de acordo com o valor da dívida e o perfil de cada cliente.

Importante

Se você não tem o hábito de fazer o pagamento mínimo de sua fatura do cartão de crédito, nada muda. Essas regras são válidas apenas para os consumidores que optam pelo rotativo do cartão.

Veja também!




comentários