6 dicas para negociar dívidas no cartão de crédito

  • Google+
  • LinkedIn

Colocar as contas no papel é o primeiro passo para a renegociação do cartão de crédito dar certo. Conheça todas as etapas para sair do vermelho e limpar seu nome.



Perder o controle da dívida do cartão de crédito, infelizmente, é algo mais comum do que parece. As altas taxas de juros cobradas toda vez que você parcela a fatura ou paga o mínimo fazem a dívida crescer bastante em pouco tempo. Então, qualquer imprevisto que atrase o pagamento das parcelas pode levar a um endividamento cada vez maior.

A negociação nem sempre é um processo fácil ou rápido, mas é importante ter calma e não deixar a dívida prescrever. Afinal, negociar pode ser bom para os dois lados: você sai do vermelho e limpa o seu nome, e a operadora do cartão tem mais chance de receber o que precisa.

6 passos para resolver a dívida no cartão de crédito

1. Coloque as contas no papel

Só assim você saberá qual o valor da sua dívida, quanto paga de juros e qual a parcela que realmente cabe no seu orçamento mensal. A Konkero tem uma seção exclusiva para ajudar você a organizar os seus gastos e outra com dicas para você gastar menos.

2. Ligue para a central do cartão de crédito

Sabendo qual valor pode pagar por mês, você tem mais segurança para negociar a sua dívida. Não precisa justificar o porquê de estar devendo – o simples interesse em quitar já é um ponto a seu favor.

3. Pergunte qual o Custo Efetivo Total (CET) da dívida do cartão de crédito

Ele mostra o valor total que você terá que pagar, com juros, taxas e impostos que serão cobrados. O fornecimento dessa informação é obrigatório.

4. Negocie o valor total da dívida em prestações fixas

Prefira uma parcela que não aumenta com o tempo. Não adianta continuar pagando só o mínimo do cartão, pois você praticamente quita os juros da administradora e seu débito não vai diminuir.

5. Se a nova proposta não for o que você espera, não aceite de primeira

Essa é a vantagem de poder negociar: tentar achar uma solução que seja boa para ambas as partes. Afinal, se o novo valor não cabe no seu bolso, você vai se complicar outra vez.

6. Se for vantajoso, troque a dívida cara por outra menor

Quando o desconto no pagamento à vista é grande, você pode considerar fazer um empréstimo com juros menores para quitá-la.



Empréstimo online: solicite sem sair de casa
Simplic: empréstimos de R$ 500 a R$ 2.500.
Lendico: empréstimos de R$ 2.500 a R$ 35 mil.
BomPraCrédito: compare e contrate empréstimos de diferentes bancos

O que fazer se…

O banco se recusou a negociar

Procure ajuda de associações especializadas, como o Andif (Instituto Nacional de Defesa dos Consumidores do Sistema Financeiro) e o PROCON (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor), pois eles vão orientá-lo sobre outras formas de negociação e investigar mais detalhes sobre a sua dívida. A Andif, por exemplo, faz uma perícia do quanto você deve e dos juros que estão sendo cobrados. Então, o instituto entra com uma ação contra a empresa para que bloqueiem a dívida. “Normalmente, em um prazo de cinco a seis meses a operadora entra em contato para fazer uma nova negociação e resolver a dívida, porque a empresa não quer gastar com advogado e ações”, explica o presidente da Andif, Donizét Piton. Mas saiba que este serviço tem um custo mensal, então, não deixe de perguntar sobre os valores antes de fechar qualquer acordo.

Você também pode pedir apoio jurídico à defensoria pública do seu estado ou conseguir um  advogado de graça. O importante é não perder o foco, ou seja: pagar sua dívida!

Renegociei, mas não tenho dinheiro para pagar a nova proposta

Existem três caminhos: voltar ao banco e tentar conversar novamente, conseguir dinheiro com parentes e amigos para quitar a dívida ou entrar no programa de Superendividado do PROCON. Este projeto caminha junto com o Centro Judiciário de Conflitos e Cidadania (CEJUSC) e pretende auxiliar e orientar os consumidores, além de promover audiências de negociações de dívidas.

Não consegui negociar e quero trocar uma dívida por outra menor

Faça uma portabilidade de crédito, que é quando você transfere a sua dívida para outra empresa. Essa dívida não é comprada, ela é apenas transferida e depois de tudo feito você vai pagar um pouco menos do que o valor inicial dependendo da negociação que foi feita.

Fui orientado a pegar um empréstimo pessoal no banco. Está certo?

Em muitos casos, sim. Apesar de não ser fácil conseguir em empréstimo quando você já tem outra dívida, esse crédito costuma ser mais barato do que juros do cartão, que podem chegar até 15% no mês, segundo o presidente da Andif. Mas saiba que mesmo os empréstimos pessoais têm juros caros.



Estou devendo demais e tenho medo de perder meus bens

Isso pode acontecer, mas deve ser decidido pelo Poder Judiciário, caso a empresa do cartão de crédito entre com uma ação. Assim, existe o risco da empresa pedir a constrição de bens, ou seja, a retenção de bens móveis e imóveis de quem está devendo.

Conheça agora a seção Negociar Dívidas do site da Konkero com dezenas de dicas que vão ajudá-la equilibrar o orçamento.





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.