3 atitudes para diminuir os riscos de ter o seu cartão clonado

  • Google+
  • LinkedIn

Não emprestar o cartão e digitar a sua senha sem que outros a vejam são atitudes que podem diminuir os riscos de ter o seu cartão clonado.

roubando cartao



Ter o cartão clonado é um risco que ainda existe. Mas isso não significa que você deve sentir medo ao usá-lo para fazer compras ou saques nos caixas. Com alguns cuidados fáceis de colocar em prática, dá para dificultar esse tipo de golpe. Você confere aqui quais os caminhos para não ser vítima dessa fraude e, de quebra, descobre o que fazer caso alguém consiga clonar o seu cartão.

3 atitudes que evitam a clonagem do cartão

1. Na internet, pesquise antes de comprar

Por ser uma realidade cada vez mais presente no dia a dia dos brasileiros, as compras pela internet exigem muitos cuidados. Isso porque, ao comprar online, você está compartilhando suas informações pessoais, como nome, RG e número do cartão. E se alguém conseguir acessar estes dados, poderá fazer compras em seu nome – o que trará um grande problema em pouco tempo. Então, antes de fechar o pedido e informar os dados do seu cartão, confirme que está em um ambiente seguro. Leia as condições de pagamento e procure por símbolos de segurança. Um deles é a mudança do endereço da página para https:// quando você está colocando seus dados. Confira outras dicas para fazer uma compra segura na internet.

2. Evite emprestar seu cartão para terceiros

Seus amigos ou parentes costumam pedir o seu cartão para cobrir alguma emergência? Por mais que você queira ajudar, é preciso tomar bastante cuidado. Sempre existe o risco de perderem o seu cartão e, o pior, do plástico ser clonado se cair nas mãos erradas. Por isso, caso decida ajudar, procure acompanhar quem pediu ajuda e faça o pagamento você mesmo. O motivo de tanta segurança? Se você emprestar o seu cartão, e ele for clonado, será muito difícil conseguir o dinheiro de volta. Afinal, o banco entenderá que esse prejuízo foi responsabilidade sua e poderá negar o pagamento do dinheiro desviado.

3. Digite a senha sem deixar que os outros a vejam

Quem pretende dar um golpe e clonar o cartão costuma prestar atenção nas senhas que os outros digitam. Por esse motivo, evite digitar os números sem se preocupar se existe alguém observando. Fique atento ao redor e não deixe que ninguém veja os botões que você apertou. Se estiver na agência bancária, tome ainda mais cuidado. “Algumas pessoas que fazem clonagem ficam cercando os consumidores para enxergar não só a senha que eles estavam digitando mas também o valor que sacaram. Por isso, é fundamental estar atento”, orienta Sonia Amaro, supervisora institucional da Proteste, associação que age em defesa dos consumidores.

Saiba dessa? Cartão de débito também pode ser alvo de ataque!

Estes riscos são parecidos aos que existem em relação ao cartão de crédito, mas existe uma diferença principal: no caso do golpe dado no cartão de débito, o seu dinheiro sai imediatamente da conta. Se isso acontecer, entre em contato com o banco o quanto antes.

O que fazer se o cartão foi clonado?

Os primeiros passos devem ser parar de usar o cartão e entrar em contato com o banco ou com a emissora de cartões para avisar sobre a suspeita de clonagem. Quando fizer essa ligação, anote o protocolo de atendimento, a data da conversa e o nome do atendente que o ajudou. “Todos esses dados provam que o consumidor desconfia da fraude mesmo sem conseguir comprová-la ainda”, explica Sonia. Após avisar a empresa, peça o cancelamento do seu cartão e a emissão de uma nova fatura sem as cobranças que foram feitas neste golpe.



Quem avalia o caso e faz a devolução do dinheiro (estorno) é a empresa (ou o banco) que deu o cartão. Se o atendimento demorar, você pode usar a ouvidoria do seu banco, que é um canal de reclamação para os clientes.

3 caminhos para recuperar o dinheiro desviado em um golpe

1. Banco Central do Brasil (BCB)

Como o BCB avalia a qualidade dos serviços dos bancos, a instituição que não prestar um bom atendimento corre o risco de receber uma avaliação negativa. Por isso, se você já entrou em contato com a empresa ou o banco, inclusive com a ouvidoria dele, e mesmo assim não conseguiu resolver este problema, vale a pena procurar o Banco Central.

2. Órgãos de Proteção ao Consumidor

Alguns exemplos são o IDEC e o Procon do seu estado. Ao fazer uma denúncia nestas empresas, você aumenta as chances de resolver o seu problema. Se quiser, faça também um boletim de ocorrência (B.O.) para registrar a clonagem do cartão.



3. Redes sociais

 Se a empresa ainda não resolveu o seu problema, experimente entrar em contato pela página do Facebook ou do twitter. Dessa forma, você torna pública a situação e pressiona a empresa para que ela tome alguma atitude.

Veja também: 7 dicas para acessar o banco pela internet com segurança





Comentários:

Atualmente recebemos centenas de perguntas todos os dias. Com isso, os comentários não serão respondidos mais pela equipe Konkero. A intenção é que os próprios usuários ajudem uns aos outros. Não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas uma vez que elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc. Importante: quando você faz um comentário, ele fica público nessa página após a aprovação da nossa equipe e também será publicado em sua timeline no Facebook de acordo com suas configurações de privacidade. Nos reservamos o direito de excluir comentários considerados inapropriados, ofensivos ou de divulgação de produtos e serviços.