Cheque especial: o que é e como funciona - Konkero

Cheque especial: o que é e como funciona

Descubra o que é o cheque especial e como você pode usá-lo para seu benefício.

O cheque especial é uma espécie de empréstimo que os bancos disponibilizam aos seus correntistas. Também chamado de limite, esse crédito é pré-aprovado, mas depende de uma análise de crédito. Ou seja, caso você seja aprovado na análise de crédito, o valor ficará disponível na sua conta sem você ter que solicitá-lo ao banco.

É comum que o valor total da sua conta apareça para você como a soma do seu dinheiro e o valor do cheque especial, dando a falsa impressão de que você tem mais do que realmente tem e, consequentemente, de que pode gastar mais.

Não se engane: se você gastar o dinheiro que o banco te emprestou, você terá que devolvê-lo com juros, e que não são baratos. Entenda como funciona o cheque especial e quando vale a pena contratar esse empréstimo.

O que é cheque especial?

O cheque especial é um empréstimo que o banco cede aos seus correntistas que são aprovados na análise de crédito, geralmente feita assim que o cliente está abrindo sua conta corrente. Mesmo que não tenha sido solicitado, o valor fica disponível para o correntista utilizar quando e como quiser.

Como funciona o cheque especial?

A partir do momento que o saldo da conta corrente fica zerado, o cliente pode utilizar o valor do cheque especial, sem a necessidade de comunicar o banco ou outra ação semelhante. Basta usar, como se fosse o seu próprio dinheiro.

Esse crédito é indicado para clientes que tenham emergências no pagamentos de suas contas. Caso você precise pagar uma conta em determinada data, mas não tenha o saldo suficiente, você poderá quitar a dívida usando o cheque especial.

Como qualquer empréstimo, você deverá devolver ao banco o dinheiro que usou, com juros. É nesta parte que está a desvantagem do cheque especial: sua taxa de juros é uma das mais altas do mercado.

Como são os juros do cheque especial?

Normalmente, os juros do cheque especial ultrapassam a taxa de 10% ao mês sobre o valor utilizado, superando, ainda, a média de 200% ao ano. Em outras palavras, isso significa que, caso você demore 1 ano para pagar o que gastou no cheque especial, ao final deste ano, sua dívida será o triplo da inicial.

A taxa de juros é alta dessa forma pela facilidade em obter esse crédito – é um empréstimo pré-aprovado, disponibilizado automaticamente na sua conta, sem antes ter solicitado nenhum tipo de garantia. Apesar de o banco ter feito uma análise de crédito antes, ele não tem como saber em quanto tempo a dívida será paga.

Assim, o cheque especial deve ser pago o mais rápido possível, pois, quanto mais você demorar para pagar, maiores serão os juros.

Como pagar o cheque especial?

O valor que você utilizou no cheque especial é debitado automaticamente da sua conta quando ela receber algum crédito. Por exemplo: caso você tenha usado R$ 100,00 de seu cheque especial de R$ 500,00, e receba um depósito de R$ 100,00, esse dinheiro servirá para cobrir o cheque especial, e seu saldo continuará zerado.

Não esqueça que, além de cobrir o cheque especial, ainda serão debitados de sua conta os juros. Por isso, se atente para que haja saldo o suficiente para pagar essas dívidas. Caso contrário, você continuará no cheque especial, fazendo a dívida crescer cada vez mais.

Há alguns bancos que não cobram os juros do cheque especial se utilizado apenas nos primeiros 10 dias. Assim, caso você precise usar o cheque especial, por causa de alguma urgência, e conseguir cobri-lo em até 10 dias, você não pagará juros. Porém, se utilizar um dia a mais, pagará por todo o período.

Se você não conseguir cobrir o cheque especial ou pagar os juros, entre em contato com o seu banco e veja as possibilidades de negociação que sejam favoráveis para você.

Cheque especial: vale a pena?

Em determinadas situações, o cheque especial é uma boa opção. Com ele, você pode pagar suas dívidas no prazo correto, porém, essa praticidade tem seu custo. Para que o seu uso seja um bom negócio, o seu pagamento deve ser o mais rápido possível, para que o valor dos juros não seja muito alto e se torne uma dívida incalculável. Portanto, use com cuidado.

Veja também!